Como o dermatologista faz a remoção de pintas?

remoção de pintas

A remoção de pintas da epiderme (camada mais superficial da pele) é uma decisão que envolve vários elementos, tais como se a pinta não é sinal de câncer de pele ou qualquer lesão maligna de pele.  

Não é uma escolha trivial, como pode parecer a alguns. Trata-se de questão médica séria – e até por isso deve ser tomada pela paciente, ou pelo paciente, sempre com o aconselhamento e a anuência de um médico dermatologista e, às vezes, também com o apoio de um oncologista.

Um fator crucial, o qual deve pesar grandemente em tal avaliação, é se a pinta em questão constitui um carcinoma ou um melanoma.

Por quê?

Carcinomas

São tumores de pele benignos. Geralmente não causam mal algum para a saúde do indivíduo. Em tais casos, a relação custo-benefício da retirada da pinta (ou das pintas) talvez não se mostre compensadora.

O melhor pode ser deixar a pinta na pele (mas deve-se acompanhar sua evolução com atenção ao longo dos anos).

Melanomas

São tumores de pele malignos. São cânceres de pele. Se não forem tratados com firmeza, podem levar seus portadores a óbito.

Em grande parte dos casos têm de ser extirpados, no interesse da preservação da própria vida da paciente.

Dito isso, fica a questão: como se dá o procedimento através do qual pintas são removidas da pele de mulheres e homens?

Vamos examinar, e responder, acerca de tal processo operatório.

remoção de pintas

As etapas da remoção de pintas

A remoção de pintas é uma intervenção cirúrgica conhecida, entre os médicos, como excisão. Excisão, convém esclarecer, é um termo técnico empregado especialmente na medicina.

Uma excisão é uma operação através da qual são extraídas certas partes de um órgão, e/ou pequenas tumefações (volumes anormais em tecidos do corpo).

A primeira providência a ser tomada é a realização de exames, como a dermatoscopia. É com base neles que o médico dermatologista opta, junto com a paciente, pela remoção ou não da pinta.

Se a decisão for pela excisão do tumor, os próximos passos serão condicionados pelas características que ele tenha.

A retirada de pintas de menor porte pode ser levada adiante em um laboratório; a anestesia usada será a local.

Já pintas maiores ou mais profundas (ou ambas) deverão ser extirpadas em um hospital. Pode ser necessária a aplicação de anestesia geral.

Uma vez que a anestesia comece a surtir efeito, o médico dermatologista faz um corte em volta da pinta.

Tal corte deve abarcar também pequenas partes da pele vizinhas ao tumor, visando prover uma “margem de segurança” à operação.

A intenção é não dar chance para o reaparecimento do tumor.

Suturas (“costuras” que unem as partes da pele após a excisão) só serão necessárias quando a lesão ao tecido cutâneo tiver sido relativamente extensa.

É preciso ressaltar que o cirurgião plástico também está capacitado para determinar a necessidade ou não da remoção de pintas.

Nas situações nas quais as incisões forem de maior porte, o trabalho e as habilidades de um cirurgião plástico serão de grande valia para, por exemplo, realizar um enxerto de pele.

Por fim, uma observação relevante: em caso de melanomas maiores é possível que se faça necessária a realização da chamada cirurgia micrográfica de Mohs.

Tal intervenção é feita com a ajuda de uma cureta, e é recomendada para a remoção de pintas localizadas em regiões mais sensíveis sob um ponto-de-vista estético.